Um sobre Zero #13

Olá, eu sou o António Lopes e esta é a newsletter do Um sobre Zero, um podcast sobre o futuro da ciência e tecnologia.

Para entrar no fim de semana de bom humor

O ambiente de produção, esse eterno poço de surpresas.

Anteriormente... no Um sobre Zero

Apesar de em Portugal a vacinação parecer estar a decorrer num ritmo cada vez mais favorável, preocupa-me que ainda se veja por aí tanta falta de informação e mesmo desinformação sobre as vacinas. Custa-me ouvir tanta gente (e de todas as idades) a debitar opiniões como se fossem "sommeliers de vacinas" (vi isto no Twitter há uns dias).

Portanto, o melhor que posso fazer é recomendar que oiçam (e partilhem) os episódios do Um sobre Zero à volta desta temática das vacinas:

As notícias da semana

Previsão de imunidade para a COVID-19

Parece que quem foi mesmo infectado com o SARS-CoV-2, e especialmente quem depois acabou por também ser vacinado, tem uma imunidade bem longa para a doença. Pelo menos é o que os estudos que agora vão surgindo, mostram. Isto aliado ao facto de começarem a aparecer medicamentos anti-virais que parecem funcionar contra a COVID-19, representa uma esperança num futuro dito normal em que não temos de viver constantemente no medo de enfrentarmos uma nova vaga ou de escolhermos viver com restrições que tanto afetam a população e a economia.

StackOverflow vendido por 1.8 mil milhões de dólares

Admira-me muito que isto só tenha acontecido agora. Para quem não é programador, eu esclareço. O site StackOverflow é provavelmente o recurso mais importante para quem tem de enfrentar o mundo por vezes críptico da programação. É um fórum público em que as nossas perguntas e dúvidas sobre a "arte" da programação são respondidas por gente mais experiente.

E como tal, tornou-se numa ferramenta importantíssima para milhões de pessoas por todo o mundo. Não havia dúvidas que, um dia, alguém iria olhar para esta comunidade e perceber que há um potencial enorme para explorar aqui, principalmente na perspetiva de online-learning. A questão era quando é que ia acontecer.

Pois bem, foi agora que alguém deu esse passo. Em tempos falou-se que um dos gigantes iria avançar nessa compra (por exemplo, quando a Microsoft comprou o GitHub, a aquisição do StackOverflow parecia também apetecível), mas acabou por ser a Prosus a chegar-se à frente.

Provavelmente, não são capazes de o admitir, mas aposto que há milhões de programadores por todo o mundo que neste momento estão bem nervosos para conhecer o futuro deste grande recurso, com receio de que deixe de ser gratuito ou que mude a sua filosofia.

Eu pelo menos já perdi a conta às vezes em que alguém no StackOverflow me safou na resolução de algum problema obscuro de programação. Se isso muda, vai tornar a minha vida de programador muito mais difícil.

Um "portal" para outra cidade

Adoro esta ideia.

Uma cidade na Lituânia tem agora um "portal" para uma outra cidade na Polónia. Claro que não é mesmo um portal que permite viajar de uma cidade para a outra. É simplesmente uma instalação de arte em que câmeras e displays instalados em ambas as cidades, permitem ter um feed constante e ao vivo do que se está a passar na outra cidade.

Nada mais, só isto. E basta. É o suficiente para criar uma ligação especial entre as duas cidades nem que seja para dizer um olá e acenar para alguém que está noutra parte do mundo.

Gostava mesmo que esta ideia pegasse e que mais destes "portais" surgissem noutras partes do mundo.

Bactérias como restauradoras de arte

Foi em Itália que alguns restauradores de arte antiga, a mãos com um desafio complicado de restaurar algumas das estátuas de mármore de Miguel Ângelo, decidiram optar por uma abordagem menos tradicional: usar bactérias para limpar as estátuas.

Ao que parece, este tipo de bactérias que os restauradores usaram, são óptimas para fazer este trabalho, porque consomem os restos de matéria (sem danificar o próprio mármore) que se acumularam ao longo de séculos nos vários buracos e fendas das estátuas, fazendo um melhor trabalho do que os próprios restauradores conseguiriam fazer.

Partilhar a internet com os vizinhos

Esta ideia da Amazon querer usar as Alexas e Echos deste mundo para oferecer WiFi a pessoas na vizinhança dos dispositivos, parece uma iniciativa parecida com o que existiu (e se calhar ainda existe, uma vez que eu ainda vejo redes públicas MEO-Wifi dos meus vizinhos) em Portugal, em que a rede instalada em casa, por exemplo Meo ou NOS, ofereciam uma rede extra que permitia a qualquer pessoa na área se ligar à mesma e obter assim uma pequena fatia da largura de banda da internet em casa.

O problema neste caso da Amazon é que o vão fazer por omissão, e portanto, clientes que não queiram fazer parte desta rede pública de WiFi têm de explicitamente fazê-lo nas definições do dispositivo. E muita gente não se preocupa sequer em ir procurar essas definições.

Adicionalmente, parece que a Amazon pretende oferecer isto com uma tecnologia proprietária, o que significa que não saberemos ao certo o que está a ser feito no interior deste sub-sistema e os potenciais problemas de privacidade e segurança que poderão estar a criar para os clientes.

Desinformação sobre eleições para justificar um golpe de estado

Parece incrível, mas é mesmo assim. Algumas das pessoas que foram presas e acusadas de atos de traição no ataque ao Capitólio a 6 de janeiro de 2021, estão a pensar usar como defesa a desinformação e as teorias de conspiração a que foram sujeitas na internet a propósito do processo eleitoral para a Presidência dos EUA, principalmente sobre o que foi dito pelo Presidente da altura, Donald Trump.

Está certo. A pessoa que estava no poder, disse-lhes que a eleição tinha sido fraudulenta e que lhe tinha sido roubada. E portanto, esta malta acreditou sem ligar ao que milhões de outras pessoas e órgãos de comunicação social diziam sobre o facto do Presidente estar a mentir. É preciso ter lata.

Recomendações de leituras para o fim de semana

O Massacre de Tulsa em 1921

Assinala-se este ano, o centenário do massacre racial que ocorreu em Tulsa, Oklahoma, em 1921. É o tipo de evento que nunca pode ser esquecido e que tem de ser revisitado... constantemente.

Por isso é importante este tipo de infografia na web que o New York Times fez. Vale a pena visitar e rever este pedaço de história.

Para quem já viu a série Watchmen na HBO (baseada na novela gráfica dos anos 80 de Alan Moore), o paralelismo entre o que acontece no início da série e o que aconteceu nos Estados Unidos há um século, é evidente. E as consequências do ódio racial após isso, ainda mais. A série em si já é muito boa (embora acredite que não é para todos os gostos, basta dizer que vem da mente da malta que fez o Lost), mas estes conflitos raciais tornam-a ainda mais interessante.

Recomendações de podcasts para o fim de semana

The Daily - The Burning of Black Tulsa

No seguimento do que referi acima sobre o massacre de Tulsa e da infografia do New York Times, vale a pena também ouvir este episódio do podcast The Daily. Violento, mas essencial.

Brevemente... no Um sobre Zero

Na próxima segunda-feira, sai o episódio de discussão sobre o futuro da energia.

Nota final

Estou à procura de histórias pessoais sobre como a ciência e tecnologia vos mudou a vida. Se estão dispostos a partilhar a vossa história com a audiência do Um sobre Zero, entrem em contacto comigo. Obrigado.

Bom fim de semana